QuemSomos

Nossa Herança

Somos um grupo de indígenas que moram na cidade, que preocupados com o futuro de nossa herança e cultura indígena, resolvemos criar o Aldeia Turismo. Desejamos assim, divulgar e preservar a cultura indígena através da conscientização e assim proporcionar ao visitante, a experiência de vivenciar o dia a dia do índio do Xingu.

Afinal, quem ama, cuida e protege!

A Aldeia Pedra ou Aldeia Tehuhungu, na língua caribe, está localizada no alto Xingu, nas imediações de um dos braços do Rio Xingu, o rio Kuluenne.

Há nesta e nas aldeias vizinhas muitos índios que ainda não falam o português. Em aldeias maiores, podemos encontrar escolas onde as crianças são alfabetizadas em português, porém, os mais velhos quase não falam nossa língua. De maneira geral, cada etnia preserva sua língua e alguns dialetos ainda em sua forma original e pura.

A região, de fauna e flora muito ricas, possui várias espécies de peixes, como a pirarara, piranha, arraias e outros animais como, tartarugas e jacarés, etc… O índio do Xingu tem como base da sua alimentação, a mandioca, que é consumida em forma de mingau como bebida; tapioca e farinha de mandioca que acompanham o peixe. Em outras ocasiões, eles também caçam  animais nativos.
A vida na Aldeia Tehuhungu decorre de maneira tranquila. O dia começa ao raiar do sol e as índias logo  dão início às rotinas diárias, seja colhendo mandioca ou preparando a mandioca já colhida anteriormente. Elas passam o tempo trabalhando com artesanato e preparando a comida do dia. Há também  as danças comemorativas, de agradecimento, festividades e lutas, e dependendo do motivo da dança ou da festividade, os nativos passam o dia se preparando para ela.
Sendo uma honraria tradicional aos visitantes das aldeias, eles recebem as pinturas típicas de cada etnia. A tinta usada é derivada da fruta do jenipapo e do urucum e são preparadas na hora.

Os homens das tribos são os responsáveis pela caça e pesca e o fazem pela manhã ou ao final da tarde. A caça do dia é compartilhada entre as famílias e a mandioca se faz muito presente entre eles, pois além de ser a base da alimentação indígena, é também é usada como um regalo por ocasião de visitas, como a tapioca (beiju). A bebida em forma de mingau de mandioca é oferecida aos visitantes nas diversas aldeias como uma oferenda de boas vindas e se houver rejeição por parte do visitante, isto é considerada uma grande ofensa à tribo.

O principal meio de comunicação entre aldeias indígenas é o rádio amadorismo e cada aldeia possui um desses equipamentos. É comum usarem o equipamento para se manterem informados das notícias da região. Para isso, ligam o rádio para ouvir as intercomunicações entre aldeias.

A Aldeia